Empréstimo pessoal e consignado: entenda as diferenças

emprestimo pessoal

Empréstimos são recursos importantes, especialmente no momento de resolver questões emergenciais ou quitar uma dívida expansiva. Mas isso não quer dizer que você esteja limitado a um único modelo. É por isso que hoje vamos falar sobre os principais fatores na hora de escolher entre empréstimo pessoal e empréstimo consignado.

Como muitas pessoas não sabem a diferença entre eles, elaboramos este texto para tirar suas dúvidas e facilitar na hora da escolha. Ao final da leitura, você vai ter muita clareza sobre qual a versão mais vantajosa, contando com uma maior segurança contra abusos. Continue lendo e confira!

Funcionamento dos empréstimos

Vejamos agora como funcionam as duas modalidades de empréstimo, para depois relacionar algumas de suas diferenças mais pontuais.

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal é uma das modalidades de crédito mais conhecidas no mercado, tendo a vantagem de não necessitar comprovação de finalidade de uso, como ocorre com empréstimos para compra de um imóvel, por exemplo.

Nesses casos, é exigida uma escritura pública do imóvel e a alienação do bem à transação. Ou seja, do mesmo modo que ocorre com financiamentos de veículos, a falta de pagamento poderá ocasionar a perda do bem.

No caso do empréstimo pessoal, a instituição financeira levanta informações como renda — verificando se a pessoa tem o nome cadastrado no SERASA e no SPC —, analisa referências, exige um fiador e com base nessas informações faz uma análise de crédito para determinar se existe risco de não receber os valores.

Se não houver nenhum impedimento, o valor será concedido e a pessoa passará a efetuar pagamentos mensais até quitar a dívida. Devido ao recebimento não ser 100% garantido e não ter nenhum bem em garantia, como nos exemplos da casa própria e do veículo, o risco maior justifica que esses empréstimos sejam concedidos com juros superiores.

Ainda assim, eles são menores que os cobrados por cartões de crédito e no cheque especial, por exemplo. Por isso, contadores, economistas e consultores costumam aconselhar que o empréstimo pessoal seja usado para quitar essas dívidas, como forma de diminuir o gasto.

Empréstimo consignado

A ideia do empréstimo consignado é genial porque fornece maiores garantias à instituição que o concede, permitindo a oferta de juros ainda melhores e a possibilidade de substituir as mesmas dívidas mais caras, mas com maiores vantagens.

No lugar de fornecer um bem para repor uma eventual falta de pagamento, a pessoa que vai receber o empréstimo autoriza o seu empregador a transferir o valor de cada parcela na data de vencimento. Sendo assim, enquanto a dívida não for quitada, o valor mensal será enviado diretamente para o credor.

Algumas financeiras fazem empréstimo consignado para quem trabalha com carteira assinada, desde que haja o convênio, sendo os casos mais comuns os de funcionários públicos, aposentados e pensionistas do INSS, uma vez que oferecem uma garantia ainda maior.

Em outras palavras, o empréstimo consignado oferece garantias até maiores do que no caso da casa própria, sem a necessidade de justificar o destino do valor desejado. No lugar de manter um bem em garantia, que só se tornará dinheiro depois de vendido, apenas a parte do salário necessária ao pagamento da parcela ficará destinada ao credor.

No caso do INSS, essa garantia é fornecida com base na averbação do contrato. Ao reconhecê-lo como válido, o órgão transmite toda a segurança para a instituição que concede o empréstimo e para a pessoa que o solicitou, que pode ter a certeza de estar tratando com uma empresa legalizada.

Diferenças entre empréstimo pessoal e consignado

É fácil entender boa parte das diferenças com base na explicação de funcionamento, não é mesmo? Mas ainda temos alguns detalhes mais pontuais para transmitir, de modo que você possa ter uma perfeita compreensão sobre esses tipos de crédito. Vejamos!

Valor das taxas

Com base no que informamos sobre as garantias, já deve estar claro para você que os juros dos empréstimos consignados são menores, mas não em qual medida. Por isso, saiba que, no caso do empréstimo consignado, os juros não costumam passar de 2% ao mês. Já no crédito pessoal, eles normalmente estão acima de 5% — uma boa diferença, especialmente ao fim do contrato.

No entanto, não existe um valor fixo para cada modalidade de empréstimo, sendo fundamental que você pesquise em busca das melhores condições. Além das taxas de juros, consulte sobre as administrativas, como taxa de abertura de crédito, por exemplo.

Idade

Não existem variações nos limites de idade. Nos dois casos, os empréstimos são concedidos para pessoas entre 18 e 80 anos, podendo haver políticas diferenciadas em cada instituição.

Carência

O empréstimo pessoal pode ter carência de até 60 dias, também variando de acordo com as políticas de cada banco, o que não ocorre no caso do empréstimo consignado — sem carência. Nesse caso, é preciso considerar que a carência se refere apenas ao inicio do pagamento, ou seja, os juros serão contabilizados no valor total do empréstimo no período de carência.

Limite

Nos dois casos, o limite liberado depende do valor da renda, com a parcela não podendo ser superior a 30% dos rendimentos. No entanto, no empréstimo consignado existe um adicional de 5% para uso no cartão de crédito.

Ainda assim, o valor liberado no empréstimo consignado será bem maior, uma vez que os prazos de pagamento são superiores e os juros menores. Como o valor total do empréstimo, inclusas as taxas, é menor e dividido por um número maior de parcelas, o valor mensal fica muito menor. sendo mais difícil comprometer os 30% do rendimento.

Prazo de pagamento

O prazo do empréstimo consignado — 96 meses — é quase o dobro do crédito pessoal — 48 meses. Contudo, também podem haver políticas diferentes em cada instituição.

Fiador ou avalista

O empréstimo pessoal costuma exigir um fiador e avalista que ficará responsável pelo pagamento no caso de inadimplência.

Consulta às restrições de crédito

O empréstimo pessoal não é concedido para quem tem o seu nome negativado, o que não costuma ser um problema no caso do empréstimo consignado.

Prazo de liberação

O prazo para liberação do dinheiro também varia de acordo com a instituição, mas costuma ser de até 72 horas para o credito pessoal e 48 horas para o consignado.

Forma de pagamento

O empréstimo pessoal é pago por meio de boleto bancário ou débito em conta corrente. Já o consignado é descontado diretamente da renda.

Com base nessas informações, fica fácil determinar a melhor escolha. Em razão das taxas e facilidades, o empréstimo pessoal só será vantajoso em relação aos créditos mais caros, como o cheque especial. Dessa forma, ele funciona como alternativa em relação ao crédito consignado apenas se o tomador não preencher os requisitos necessários à consignação.

No caso dos beneficiários do INSS, ainda será possível consultar um extrato do empréstimo pessoal no Meu INSS. Clique aqui e saiba como funciona. 

Comente e Compartilhe